sábado, 2 de junho de 2012

hello, goodbye


To ouvindo You and I. Wilco. Era essa a música, era essa a nossa música. Pelo menos na minha cabeça era. E eu dei o play pela primeira vez agora, depois de muito tempo. Espera um pouquinho. Eu vou ali apagar a luz. Não quero que ninguém me veja chorando, nem eu mesma, agora que eu pranto não é mais público. Pronto. Agora eu já posso dizer, escondida do mundo e de mim mesma, que tudo era como se fosse só eu e você. O mais surpreendente de tudo é que apenas isso, apenas você, era o suficiente para mim. Você era tudo que eu sempre quis e que jamais encontrei. E mesmo entre tantos altos e baixos eu pensei que poderia dar certo. Eu respirava fundo, e acreditava em nosso amor. Eu cheguei a pensar, que juntos poderíamos fazer coisas que ninguém nunca tinha feito e sermos felizes, demais. E eu queria seguir com você. Eu e você. Você e eu. E agora já faz tanto tempo que todos esses desejos foram colocados de lado, num segundo plano tão escondido, que custo a acreditar que ainda estou te ligando. É que hoje eu dei um suspiro profundo e dolorido...  Foi somente hoje eu me dei conta da data que está à caminho, me senti como quando tinha 15 anos e chorava por passá-la sozinha. E a culpa é sua! Ano passado estávamos juntos e fazíamos planos de um futuro bom, que acabou como o que há de mais efêmero e vazio. Eu lamento. Passado muito tempo, passado pouco tempo. Já não importa. Passado! Ui, soou esquisito isso, como se eu fizesse questão de ter deixado tudo para trás. Não é bem assim. Aliás, não foi bem assim. De qualquer maneira, eu to bem. Acho que só te liguei por causa do maldito dia dos namorados, que está chegando.