segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Astronave Maldita!

"E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar (...)
Sem pedir licença muda a nossa vida e depois convida a rir ou chorar..."

(Toquinho / Vinicius de Moraes / G.Morra / M.Fabrizio, 1983)

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Momento auto-ajuda pé pra baixo.

É engraçado como em tudo o que fazemos queremos impressionar alguém, por mais que a gente saiba que não precisamos daquilo efetivamente. Porém, o reconhecimento faz bem pro ego.
Todavia, a insegurança na tentativa de impressionar é uma loucura!
Tira nosso pés do chão quando mais queremos que estes ali fiquem colados.
Quanto mais queremos impressionar, mais fazemos tudo errado. Ga-ga-gaguejamos, falamos coisas não pertinentes, tropeçamos (fisicamente falando!), derramamos suco na camisa e demais desastres afora.
E quando queremos impressionar alguém realmente importante cometemos erros duplos, tanta a gana de fazer-se notável.
Uma dica? Seja você.
O que trazemos do coração é muito maior e mais - desculpem a brincadeira com o termo - impressionante do que qualquer estratégia que nossa máquina cerebral de articular planos fantásticos pode imaginar. O coração é puro. As pessoas percebem isso. E é isso que as impressiona e as fazem lhe prestar o devido reconhecimento.
A sua garra, a sua força de vontade e o desejo mais íntimo e sincero do seu coração impresionam muito mais que uma roupa bonita e um sorriso forjado.

Abra seu coração e deixa eu me impressionar por você!

Cheirinho de vida, cheinho de vida.

Cheirinho daquilo que não se deve pronunciar o nome e que faz tão bem. Cheirinho da felicidade e irradiação. Cheirinho do incerto, que faz bem. Cheirinho de arco-íris. Cheirinho de frio na barriga. Cheirinho de pipoca de chocolate. Cheirinho do faz-de-conta. Cheirinho irradiação posterior. Cheirinho de início. Cheirinho de fim. Cheirinho do quero-mais. (...) Cheirinho de vida, cheinho de vida.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Ser Adulto

Sempre acho que namoro, casamento, romance tem começo, meio e fim. Como tudo na vida.
Detesto quando escuto aquela conversa:
- ‘Ah, terminei o namoro…
‘- ‘Nossa, quanto tempo?’
- ‘Cinco anos… Mas não deu certo… Acabou’
- É, não deu…?
Claro que deu! Deu certo durante cinco anos, só que acabou.
E o bom da vida, é que você pode ter vários amores.
Não acredito em pessoas que se complementam. Acredito em pessoas que se somam.
Às vezes você não consegue nem dar cem por cento de você para você mesmo, como cobrar cem por cento do outro.
E não temos esta coisa completa.
Às vezes ele é fiel, mas não é bom de cama.
Às vezes ele é carinhoso, mas não é fiel.
Às vezes ele é atencioso, mas não é trabalhador.
Às vezes ela é malhada, mas não é sensível.
Tudo nós não temos.
Perceba qual o aspecto que é mais importante e invista nele.
Pele é um bicho traiçoeiro.
Quando você tem pele com alguém, pode ser o papai com mamãe mais básico que é uma delícia.
E as vezes você tem aquele sexo acrobata, mas que não te impressiona…
Acho que o beijo é importante…e se o beijo bate…se joga…senão bate…mais um Martini, por favor…e vá dar uma volta.
Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra.
O outro tem o direito de não te querer.
Não lute, não ligue, não dê pití.
Se a pessoa tá com dúvida, problema dela, cabe a você esperar ou não.
Existe gente que precisa da ausência para querer a presença.
O ser humano não é absoluto.
Ele titubeia, tem dúvidas e medos mas se a pessoa REALMENTE gostar, ela volta.
Nada de drama.
Que graça tem alguém do seu lado sob chantagem, gravidez, dinheiro, recessão de família?
O legal é alguém que está com você por você.
E vice versa.
Não fique com alguém por dó também.
Ou por medo da solidão.
Nascemos sós. Morremos sós. Nosso pensamento é nosso, não é compartilhado.
E quando você acorda, a primeira impressão é sempre sua, seu olhar, seu pensamento.
Tem gente que pula de um romance para o outro.
Que medo é este de se ver só, na sua própria companhia?
Gostar dói.
Você muitas vezes vai ter raiva, ciúmes, ódio, frustração.
Faz parte. Você namora um outro ser, um outro mundo e um outro universo.
E nem sempre as coisas saem como você quer…
A pior coisa é gente que tem medo de se envolver.
Se alguém vier com este papo, corra, afinal, você não é terapeuta.
Se não quer se envolver, namore uma planta. É mais previsível.
Na vida e no amor, não temos garantias.
E nem todo sexo bom é para namorar.
Nem toda pessoa que te convida para sair é para casar.
Nem todo beijo é para romancear.
Nem todo sexo bom é para descartar. Ou se apaixonar. Ou se culpar.

Enfim… Quem disse que ser adulto é fácil?


Arnaldo Jabor.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Carta, por Bic Muller.

Foi este o título de um texto que a Bic me mandou há um ano, ou mais.
Segue, abaixo, o trecho mais bonito em minha opinião:
"Sei que arrombar a sua porta aos pontapés não foi a melhor opção, remexer as suas feridas buscando mais do seu sangue só me fez querer te abraçar mais, sei que o meu desespero gritou nos seus ouvidos até eu perder a voz, sei que quebrar os nossos sonhos na parede não adiantou pra nos fazer descer desta roda gigante na qual estamos, tantos altos e baixos e bilhetes escritos junto ao café da manhã.

Faz tanto tempo que isso acabou de começar. Fazia tanto tempo que eu estava sem você."

segunda-feira, 2 de março de 2009

Eu sinto isso

Sabe quando você respira fundo, solta o ar fazendo barulhinho e tem a sensação de que aquilo que você deseja dará certo? Eu sinto isso. Eu acredito no nosso amor.

domingo, 1 de março de 2009

Abrindo a porta

Quando a gente abre a porta, fica tão empolgado com o que está vendo que acaba esquecendo de tudo, tudinho. Eu não lembro nem com que pé pisei quando eu cheguei, mas acho que com o esquerdo é que não foi.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Liberdade - Marcelo Camelo

Perceber aquilo que se tem de bom no viver é um dom
Daqui nãoEu vivo a vida na ilusão
Entre o chão e os ares
Vou sonhando em outros ares, vou
Fingindo ser o que eu já sou
Fingindo ser o que já sou
Mesmo sem me libertar eu vou
É Deus, parece que vai ser nós dois até o final
Eu vou ver o jogo se realizar de um lugar seguro
De que vale ser aqui
De que vale ser aqui
Onde a vida é de sonhar?

Liberdade

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Fechando a mala

Desde pequena olhava meu irmão, sete anos mais velho, fazendo as malas e partindo. Ele morava fora, para estudar, e eu achava lindo. Sempre quis fazer igual.
E toda vez que discutia com meus pais, falava sobre querer sair de casa e de como tudo seria melhor na ausência deles. Mas, parecia que este dia nunca iria chegar, que eu nunca iria crescer e nem iria fazer as malas.
Mas hoje eu tirei a mala cor de rosa do maleiro. Tinha um monte de coisas velhas dentro dela. Uns cadernos de anotações, livros velhos e papel para encapar cadernos, do tempo que eu estudava no Wolf. Coisas que eu nem lembrava mais. (Acho engraçado como a gente se esquece das coisas facilmente. Acho engraçado e dolorido.) Tive que achar um novo lugar para tudo isso, porque vou usar a mala. Quero encher a mala de roupas e espectativas. Na verdade, de espectativas a mala esta cheia ha um bom tempo, desde a minha epoca de criança. Comecei colocando as roupas de inverno. Elas são as que ocupam mais espaço e ficando por baixo, com a peso das peças de cima, perdem o volume.
Fui pegando peça por peça e lembrando das coisas, como quando a minha avo tricotou meu cachecol favorito e da blusa de lã que foi da minha tia quando criança, minha blusa favorita.
Não me importo de usar coisas que já foram de outras pessoas. Acho até legal saber que aquilo passa de geração em geração.
Depois que a coloquei na mala, tinha certeza de que tudo o que eu precisarei nesta nova fase da vida estava ali. ´

É estranho pensar que tudo o que você precisa cabe numa mala.